Dia dos avós: quando nossos pais se tornam vovós

Amanhã comemora-se o Dia dos Avós. 26 de julho.

Já escrevi aqui no blog sobre minhas duas avózinhas que conheci na vida, vovó Rosa e vovó Angélica. Mas, quando escrevi aquele post, no já longíquo 2013, eu associava a palavra “avó” apenas a elas. Desde dezembro de 2015, quando meu Luiz nasceu, meus pais, subitamente, também se tornaram avós. Tanto para o Luiz quanto para mim, porque ganhei esta nova perspectiva deles, do papai-vovô e da mamãe-vovó.

(E olha que eles já tinham muitos netos antes, mas é só depois que nasce o nosso bebê que a gente entende essa dimensão, parece…)

Já escrevi também sobre meu pai e sobre minha mãe aqui no blog — váááárias vezes. Tipo aqui, aqui, aqui… e aqui, aqui e aqui. Mas eles eram sempre pai e mãe, eu nunca escrevi sobre eles como avós. Os vovós do Luiz.

É o que farei hoje. Porque minha mãe ficou 20 dias lá em casa comigo, quando eu tinha acabado de parir, para dormir ao lado do Luiz num sofá-cama bem duro, acordar várias vezes durante a madrugada para levá-lo até mim para mamar, me ajudar com o banho, o umbigo e outros mistérios cabeludíssimos que não foram explicados no manual de instruções do bebê. E porque meu pai ficou com o Luiz durante cinco meses, todas as tardes, de segunda a sexta, brincando, trocando fraldas e alimentando, para que eu pudesse encarar uma nova aventura profissional, que era mesmo uma aventura, depois de quase dar um tilt e pifar no trabalho anterior. Continuar lendo

Anúncios

Receita de pão de queijo – parte 2

160920121591

Para os mais tradicionalistas que acharam uma blasfêmia uma receita de pão de queijo quadrado e em que nem se coloca a mão na massa, divido aqui duas receitas das minhas avós.

(Cheguei a tentar fazer uma delas também, mas ficou duríssimo e sem gosto. Tentarei de novo quando estiver mais experiente no fogão…)

Pão de queijo da vovó Rosa

Para 1 copo de 200 ml de polvilho doce de boa qualidade, misture a mesma medida de queijo ralado, 1 ovo grande, 1 colher de sopa de manteiga (cheia), 1 pitada de sal a gosto e acabe de amassar com leite ( de 1/4 a 1/2 copo de leite na temperatura ambiente). Amasse bem até que a massa fique homogênea e bem macia. Faça + ou – 20 bolinhas, e asse em forno quente. Pré-aqueça o forno antes de colocar o tabuleiro.

Obs: Não deixe a massa muito dura.

Pão de queijo da Vovó Angelica

Para 1/2 kg de polvilho doce de boa qualidade, coloque 1/2 copo de 200 ml de óleo, 1/2 copo de água, 1/2 copo de leite, 4 ovos, 1 colherinha de café de sal e + ou – 200 gr de queijo ralado.

Modo de fazer: ferver o óleo, a água e o leite. Numa vasilha aberta misture o polvilho e o sal. Despeje a mistura de liquidos ferventes sobre essa mistura e mexa bem até esfriar. Coloque os ovos um a um e sove bem. Continue sovando e então acrescente o queijo ralado. Unte as mãos com óleo e enrole os biscoitos. Assar em forno médio, pré-aquecido.

 

Observação geral: o ideal é que o queijo seja Minas (o Minas de verdade, de preferência Canastra, não esse frescal insosso que os paulistanos chamam de queijo Minas).

Sugestão aos não-mineiros: experimentem fazer isso em casa e nunca mais comprarão aqueles pães de queijo congelados de supermercado nem comerão os pães de queijo vendidos nas padarias da vida. Se fizerem aquela receita de ontem também não vão se arrepender!