Ir para conteúdo

#PérolasdoLuiz – o que acontece quando morremos

Estrelas. Em foto de Kyle Gregory Devaras, no Unsplash.

 

Como contei aqui no blog, tivemos uma triste morte na família nos últimos dias. O avô paterno do Luiz descansou, depois de seis anos lutando contra o câncer.

O pequeno chorou por várias horas depois que recebeu a notícia. Foi a primeira vez que sofreu com a morte de alguém próximo e querido. Seu primeiro luto. Eu tinha quase a mesma idade que ele quando também perdi meu primeiro ente querido, meu padrinho Homero, aos 6 anos.

No dia seguinte à morte do avô, Luiz, com seus 5 anos e meio, solta a seguinte pérola:

“Na verdade, o vovô Zezé não morreu, mamãe. Ele ficou muito muito muito brilhante e, lá do céu, junto com os anjinhos e o Papai do Céu e os planetas, a gente vê ele parecendo com uma estrela. Ele não morreu, só ficou brilhante.”

É isso. Ele não morreu, só ficou brilhante.

Todo dia aprendo uma coisa nova com esta criança linda que é o Luiz!

 

 

P.S. Não sei se fiz o certo, o recomendável, o ideal. Mas, quando o vovô Zezé morreu, eu contei ao Luiz o que tinha acontecido, sem nenhum subterfúgio. Pensei: ele vai chorar, vai sofrer, mas isso vai acontecer inevitavelmente, seja hoje ou daqui a alguns dias. Então achei melhor falar de uma vez, arrancar o bandaid. É possível que os psicólogos desaprovem o que eu fiz, ou tenham táticas melhores. Infelizmente, a maternidade veio sem manual de instruções…


Leia também:

***

Quer assinar o blog para recebê-lo por email a cada novo post? É gratuito! CLIQUE AQUI e veja como é simples!

faceblog
ttblog

Cristina Moreno de Castro Ver tudo

Mineira de Beagá, jornalista, blogueira, poeta, blueseira, atleticana, otimista, aprendendo a ser mãe. Redes: www.facebook.com/blogdakikacastro, twitter.com/kikacastro www.goodreads.com/kikacastro. Mais blog: http://www.otempo.com.br/blogs/19.180341 e http://www.brasilpost.com.br/cristina-moreno-de-castro

2 comentários em “#PérolasdoLuiz – o que acontece quando morremos Deixe um comentário

  1. Cris, quando seu padrinho morreu, você tinha seis anos e também pensou que ele havia virado estrela. Alguém lhe disse isso. Não tenho certeza, mas acho que foi sua mãe psicóloga ou sua avó professora. Na verdade, ele pilotava um daqueles velhos aviões da FAB (era major aviador) que sofreu pane logo ao decolar de uma base militar do Rio de Janeiro e se chocou com o Morro Cara de Cão (se bem me lembro), no Rio. Ficou tão despedaçado, que a Aeronáutica nem permitiu que o caixão fosse aberto para o velório em Lagoa da Prata, em 1991. Para uma criança, a ideia de virar estrela é um consolo, acho. Mas isso também passa…

    Curtir

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: