Sobre empréstimos e devoluções — um Conto de Natal inacabado

contonatal

Trabalhando em dia de Natal pela segunda vez na vida (geralmente meus plantões caem no Réveillon), não consegui deixar de pensar no clássico de Charles Dickens, “Um Conto de Natal”. Ebenezer Scrooge, o muquirana, economizava até no carvão pra aquecer a salinha onde o pobre Bob Cratchit trabalhava até tarde na véspera de Natal. Claro que no meu caso é bem diferente, uma verdadeira questão de “ossos do ofício”, mas a história — uma das minhas favoritas de todos os tempos — pairou na minha cabeça durante parte do expediente ontem. Decidi: vou chegar em casa e assistir ao meu DVD com uma das mais belas versões do livro.

Já em casa, sofá-cama aberto, pipoca estourada, suco nos copos, fui vorazmente até a estante em busca do meu precioso DVD. E lá estava ele: o buraco, indicando que eu tinha emprestado o filme a alguém, só deus sabe quem.

Imaginem a frustração.

Eu adoro emprestar as coisas (e também pegar emprestado!). Quando eu morava sozinha, sempre fazia questão de entregar uns dez filmes de uma vez aos meus amigos que também moravam sozinhos — vejam este!, muito bom! –, com mil recomendações. Também gosto muito de emprestar livros. Mas depois, se a pessoa não me devolve, eu posso nunca mais revê-los, porque não consigo lembrar de jeito nenhum para quem emprestei.

Quando eu era mais nova, nos tempos do colégio, chegava a fazer uma cadernetinha pra anotar os empréstimos, como fazem as bibliotecas. Fui perdendo a organização com o tempo. E, claro, também e desprendendo mais das coisas. Mas continuo com a mesma frustração quando fico doida para ver um filme e não o encontro.

Como já contei por aqui, adoro separar roupas para doação. Brinquedos e comidas também. Utensílios de casa, sapatos. Me desfaço de certos bens com a maior facilidade e desprendimento. Mas sou muito apegada a meus livros, CDs e DVDs. Meu sonho de criança era ter uma biblioteca e, na falta de imponentes estantes, as caixas de leite faziam as vezes de um depositário de livros. Eu me orgulhava daqueles livros, que deixava debaixo da cama (imaginem a poeira!), em ordem alfabética de autores, e buscava sempre, para reler ou emprestar. Isso deve explicar meu prendimento de hoje.

Por isso, acho que todo mundo que gosta de pegar livros e filmes emprestados (e me incluo nessa) deveria fazer assim: anotar num papelzinho de quem é aquele precioso bem (porque o que pegou emprestado também pode se esquecer), colocar lá dentro do livro, como um marcador, e deixá-lo numa estante especial, para ser livro ou visto logo que possível e devolvido assim que acabado, deixando todos felizes — inclusive o Natal de uma certa jornalista de plantão 🙂

Anúncios

7 comentários sobre “Sobre empréstimos e devoluções — um Conto de Natal inacabado

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s