Ir para conteúdo

“Serra não votaria nele de jeito nenhum”

Foto: revista piauí

A pesquisa Datafolha divulgada hoje, uma semana após o início da propaganda eleitoral na televisão, mostra que minha pequena análise destas eleições feita na quinta passada tende a se confirmar.

Serra (PSDB) despencou cinco pontos percentuais e seu índice de rejeição cresceu também cinco pontos, chegando a impressionantes 43%. Seu tempo de TV foi insuficiente para melhorar seu quadro, o que mostra que ele talvez já tenha atingido um teto, ainda mais se considerar que tanta gente diz não votar nele de jeito nenhum. Acho que ele se queimou muito na cidade por ter se elegido prefeito com a promessa de não abandonar o barco e depois ter deixado a cidade com o desaprovadíssimo Kassab (PSD) para ser governador.

Russomanno (PRB) estagnou na liderança dos 31%, o que mostra que seu pequeno tempo de TV vai tornar difícil a intenção dele de atrair mais eleitores e talvez ele também tenha atingido seu teto. Já Haddad (PT) subiu de 8% para 14%, o que confirma que a grande aparição, ao lado de padrinhos fortes, provavelmente vai fazer ele dar uma guinada, assim como aconteceu com Marcio Lacerda (PSB) em Beagá em 2008, que muito provavelmente vai se reeleger neste ano.

E assim, não duvido, não duvido mesmo, que Serra talvez nem sequer dispute o segundo turno. O que seria algo inédito em uma São Paulo tão tucana*.

Como não tenho mais nada a falar sobre esse assunto, deixo vocês com o texto bem-humoradíssimo da revista “piauí”:

Serra não votaria nele de jeito nenhum” 😀

 

* Bom, nem tão inédito assim, como mostra o ótimo comentário de um leitor, abaixo.

Cristina Moreno de Castro Ver tudo

Mineira de Beagá, jornalista, blogueira, poeta, blueseira, atleticana, otimista, aprendendo a ser mãe. Redes: www.facebook.com/blogdakikacastro, twitter.com/kikacastro www.goodreads.com/kikacastro. Mais blog: http://www.otempo.com.br/blogs/19.180341 e http://www.brasilpost.com.br/cristina-moreno-de-castro

14 comentários em ““Serra não votaria nele de jeito nenhum” Deixe um comentário

  1. A queda de Serra além ser esperada, era a esperança que o Brasil tinha para São Paulo, apesar do Russsomanno. Qual pior, não se sabe.
    Agora, para Belo Horozonte, Minas e o Brasil seria um desastre imensurável outra vitoria desse higienista, elitista e preconcetuoso chamado M Lacerda, que só está no PSB por imposição de seu “chapa”, o filho do avô, esse tal Aécio Neves: outro desastre anunciado, já vivido por Minas.

    Mas felizmente, Patrus Ananias há de vencer em 7 de outubro.
    Ou a cidade ficará mais quatro anos perdida, mas mobilizada contra esse M (Lac)erda.

    Curtir

    • Mas acho bem difícil o Patrus ganhar, viu. O Lacerda está com 46% das intenções de votos e foi super bem avaliado pela população nessa última pesquisa Datafolha. Em outras pesquisas ele também está disparado à frente. E, como está muito polarizado entre os dois (os outros candidatos somam só 4% dos votos), a margem de crescimento do Patrus só é possível com a vinda dos eleitores do Lacerda para ele, o que é improvável, já que seu índice de rejeição é de apenas 17% (contra 19% do Patrus). Além disso, a taxa de indecisos é relativamente pequena: só 9%. Ou seja, na melhor das hipóteses, Patrus subiria para 39%, ainda muito menos do que Lacerda, que está em curva crescente desde julho. É capaz até de ele ganhar em primeiro turno.

      E eu nem diria que é por qualquer percepção de mérito do próprio candidato. Simplesmente as pessoas tendem a reeleger a situação sempre que possível, em tempos de calmaria. Como a crise econômica ainda não pegou no Brasil, os brasileiros se sentem bem e estáveis e atribuem isso ao mandante que está no poder. É por isso que se conta nos dedos de uma mão os casos de governante que tentou reeleição e não ganhou — inclusive o mal avaliado Kassab foi reeleito em São Paulo, deixando figuras cotadas como a Marta e o Alckmin na rabeira. Mesmo com um caso como o mensalão, que é grave, de fácil entendimento pela população e que foi amplamente usado pelos marqueteiros da oposição, Lula conseguiu se reeleger com folga e ainda tem poder para eleger muito afilhado. Costumo dizer que se fosse possível reeleições eternas, de três, quatro mandatos seguidos, era bem possível que nossa população mantivesse pequenos ditadores eternamente no poder.

      Curtir

  2. Não acho São Paulo uma cidade tucana (bomba)! São Paulo é uma cidade órfã do Maluf. O eleitorado por aqui se divide em cerca de 30% de pessoas afinadas com o PT. E 30% de pessoas que não votam no PT de jeito nenhum, muitos dos quais eram “malufistas”. Se fizermos um histórico das eleições em São Paulo, veremos que a cidade (em oposição ao estado) não é tucana. Em 89, Erundina se elegeu com o fiel eleitorado do PT porque não havia segundo turno. Em 1992, Maluf se elegeu, com seu discurso faraônico. Em 1996, conseguiu eleger o Pitta. Em 2000, já com o instituto da reeleição, Marta e Maluf disputaram o segundo turno, deixando Alckmin em terceiro. Graças à enorme rejeição ao então pepebista, Marta se elegeu. Em 2004, com Maluf e sua rejeição no páreo de novo (e muitos malufistas com vergonha de votar nele) Marta e Serra foram ao segundo turno, tendo a petista perdido devido à sua rejeição pela “elite” paulistana. Em 2008, Kassab e Marta foram ao segundo turno, deixando novamente Alckmin em terceiro lugar. Kassab se reelegeu (muitos momentos o povo paulistano parece se esquecer que foi ele mesmo quem deu mais 4 anos para o Kassab), com certeza com muitos votos dos órfãos do maluf. Agora, em 2012, a coisa se repete. Um nome meio desconhecido, com certo apelo popular atraindo os votos dos órfãos malufistas (Russomano), e o PT alçando um quase desconhecido ao seu eleitorado cativo. Antes da definição das candidaturas, eu acreditava que o eleitorado malufista migraria para o Chalita. Engano, parece que aderiram ao Russomano, que provavelmente estará no segundo turno, junto ao PT com o Haddad.

    Historicamente, então, o PSDB disputou apenas 1 em 3 segundos turnos, tendo chegado em terceiro lugar também em 1996 (Serra). Não sei os dados de 1992 ou de 1988, mas creio que o PSDB também não foi além do terceiro lugar!

    Então, São Paulo não é uma cidade Tucana, mas uma cidade órfã de Paulo Maluf, procurando um novo desde que sua rejeição atingiu patamares insustentáveis ( não foi Pitta, tampouco Kassab, mas acho que tentarão de novo, com Russomano ou Chalita).

    Então, não seria nada inédito o PSDB fora do segundo turno. Inédito seria se o voto malufista morresse (o que não parece o caso…)

    Curtir

    • Muito boa sua análise e faz muito sentido. Mas eu não diria que o Kassab se elegeu com votos apenas dos malufistas. Ele é um afilhado do Serra e teve amplo apoio dos tucanos serristas, que não gostam do Alckmin. O problema dos tucanos (para o PSDB) é terem uma divisão interna tão grande, a ponto de haver um eleitorado fiel do Serra, um fiel do Alckmin e um fiel do Aécio e eles, apesar de todos tucanos, simplesmente não se bicarem de jeito nenhum. Por isso não duvidei nem um pouco quando surgiram os primeiros boatos, primeiro na coluna da Dora Kramer, dizendo que Aécio migraria de partido, pra um PSB ou PMDB da vida (caso este abandonasse o barco do PT), para concorrer à tão sonhada presidência, já que Serra e Alckmin não largam o osso.

      Mas, então vejamos: temos Serra, Kassab e Kassab de novo alçados ao poder, desde 2004, pelo eleitorado tucano-serrista de São Paulo. São oito anos de serrismo no poder. É quase uma era, como foi a era malufista com Maluf-Pitta. O problema (para o PSDB) é que Kassab se queimou tanto neste segundo mandato, abandonando a cidade para fazer política (e mostrou que sabe fazer política, porque virou um cacique disputado nacionalmente de um dia pro outro), que a faísca está chamuscando seu padrinho Serra, que não para de cair.

      Agora, retomando seu ótimo raciocínio, resta ver se o malufismo ainda é tão forte assim ou se o petismo vai conseguir extrapolar seus 30% de adeptos na cidade…

      Curtir

  3. Olha o que eu achei que meio que comprova minha tese: http://www.scielo.br/pdf/nec/n81/06.pdf

    Eu acho que devemos dividir o raciocíno em dois tipos: primeiro e segundo turno. No primeiro turno, vale o raciocínio. Tá muito tarde, mas vou tentar por num gráfico as votações de primeiro turno.

    O PSDB ganhou em 2004 apenas porque o eleitorado malufista (de direita, no estudo) não tinha para onde correr quando as denúncias de corrupção já deixavam eleitores muito envergonhados em votar no Maluf. Havia o Francisco Rossi, que começou bem nas pesquisas, mas caiu por falta de tempo na TV e apoio político.

    O Kassab não se elegeu apenas com votos malufistas (não dá pra se eleger, são só 30 %). A questão é que parte de sua expressiva votação no primeiro turno, que deixou alckmin de fora, veio de votos malufistas. O voto serrista-tucano fez muito mais diferença no segundo turno. O fato de ele ser um afilhado político do Serra, trouxe alguns votos, mas com certeza menos do que o PSDB levou ao Alckmin. Até porque o Serra não se empenhou na campanha (que eu me lembre, não apareceu na TV, enfim, ficou quetinho, pq havia candidatura do mesmo partido).

    Minha teoria é a de que não existe um eleitorado Tucano-serrista expressivo. Existe um eleitorado malufista e um petista. O malufista ficou órfão depois dos escândalos, e refugiou-se primeiro no Kassab, e agora no Russomano. E foi esse eleitorado malufista que impulsionou Serra/Kassab.

    O PSDB tem problemas de brigas internas muito sério mesmo, mas acho que isso não se reflete na eleição. Conversando com os mais diversos “tucanos” todos já votaram em Alckmin e Serra diversas vezes. Acho que a única diferença, neste eleição, é uma birra pessoal do eleitorado com o Serra devido ao abandono à prefeitura, nas mãos do Kassab (semelhante ao que ocorreu com o Maluf-Pitta).

    No segundo turno, acho que a lógica é completamente diferente. A Marta se elegeu na rejeição ao Maluf, assim como o Serra e o Kassab se elegeram na rejeição da Marta. Se o Serra for para o segundo turno, perderá a eleição contra qualquer um.

    Curtir

    • Muito bom seu comentário, obrigada. Até indiquei no post, porque muita gente não têm o hábito de ler comentários nos blogs, embora seja a melhor parte 😉
      E concordo plenamente com sua conclusão final. O problema é que, também na mesma lógica, se o segundo turno for Russomanno com Haddad — o que eu acho bem possível — as chances de Russomanno ganhar são enormes.
      abraços e volte sempre 🙂

      Curtir

  4. Obrigado! 🙂 Estou sempre lendo o blog! Participei do processo de seleção da Folha e conheci vc por uma semaninha! 😛

    Então, num segundo turno entre Russomano x Haddad, se eu tivesse que apostar $$, apostaria no Russomano, com certeza. As chances dele realmente são grandes. (conversa aí no dataFOLHA pra fazer uma simulação de segundo turno Russomano X Haddad ahahahahhahaha brincadeira)

    Curtir

    • Daqui a pouco eles devem fazer com certeza… Aiai, que medo desse Russomanno…
      Legal que lê o blog, tava faltando comentar mais então 😀
      Devia ter falado comigo lá no café! Mas daqui a pouco vc passa num dos concursos da Folha e vai trabalhar lá, né.

      Curtir

  5. Muito medo do Russomano! Qual café? Oi? hahahahahaha

    Nossa, desisti completamente da vida de jornalista! Não virei trainee da Folha, resolvi prestar concurso, acabei passando e to exercendo o direito mesmo.

    Curtir

    • Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaah, viajei! Achei que vc estivesse nessa última semana de palestras, e teve um café geral lá pra conhecer o pessoal heheh
      Agora que vi que vc fez a semana comigo!!!!! E somos amigos no Facebook e tudo hehehe
      Lembro que vc era o mais novinho da turma, né? Fez bem em escolher o direito, o jornalismo está numa crise brava…
      Desculpe pela minha lerdeza, é o sono atrasado 😉

      Curtir

  6. Lerdeza? como lembrar de uma pessoa em 40 que vc nunca mais viu/ouviu falar? ahahha Surpreende-me que você tenha lembrado! O mais novinho? Acho que sim. E até hoje eu não sei se eu escolhi o direito ou o direito me escolheu, viu? Jornalismo em qual tipo de crise, porque acho que são várias, não?

    Então, acabou de sair uma pesquisa Ibope, com Serra e Haddad tecnicamente empatados e Russomano em primeiro lugar, com seus cerca de 30% dos votos. A aguardar.

    Curtir

    • Sim, lembro que cê tava ainda no começo da faculdade, não era? De direito mesmo, né. E eu te falava que, se não passasse daquela vez, deveria tentar de novo e teria o lado bom de não prejudicar seu curso. E vc, se não me engano, era um dos que me zoavam porque eu falava “mais X, DISPARADO, do universo!” rs. Bom, mas aí já não tenho certeza mesmo hehe.

      É, a pesquisa Ibope está bem parecida com o Datafolha. Com duas semanas de campanha eleitoral, o Haddad vai dar um salto. Mas realmente acho que o Russomanno já bateu no teto…

      Curtir

  7. Nada! Eu estava no último ano! Todos te zuavam pelo disparado!! 😛

    O Russomano parece ter chegado ao teto do 1 turno. Para o segundo…

    Curtir

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: