Dicionário atualizado de paulistanês, com tradução direta do mineirês

À esquerda, BH nublada (e ainda linda); à direita, São Paulo naqueles dias em que não dá pra ver nem o contorno das nuvens, de tão cinza 😉

Depois do post de ontem, que trouxe vários comentários muito enriquecedores, acrescentei mais 21 verbetes* ao nosso Dicionário Atualizado de Paulistanês!

Clique nele para ver maior.

(Com a devida correção, apontada pelo @romani83, do sanduíche Bauru.)

Vou manter este post sempre atualizado com a última versão do dicionário, a partir das sugestões dadas por vocês 😉

Aproveito pra dividir mais coisas a partir dos comentários:

  • a sugestão do @dcabello de usar o site http://www.cruzalinhas.com para ajudar a definir as melhores rotas na cidade;
  • das amigas mineiras do Thiago Meller sobre andar de carro SEMPRE com GPS;
  • a dica da Talita de comer no restaurante Cantin di Minas;
  • o alerta da Flavinha de que NUNCA se deve pedir catchup pra comer com a pizza e de que nem todas vêm necessariamente com queijo.

P.S. Troquei a foto em homenagem ao Alexandre Giesbrecht, pra ele ver por que São Paulo é Terra Cinza 😉

Mas fecho o post com a foto abaixo, tirada também na terra da garoa, pra mostrar que pra toda regra há exceção (e que esta “guerrinha” é do bem, porque nós nos adoramos, como bem disse a Flavinha) 😀

Parque do Ibirapuera em dia de sol e céu azul. (Fotos: CMC)

* Só deixei de fora os que foram muito contestados por outros paulistanos.
Anúncios

Manual de guerra aos mineiros que acabaram de chegar a São Paulo

Locomoção

Lazer

Comida mineira (requer grana)

Gosta de blues e jazz e samba?

Fique esperto:

  • Nem pense em pedir uma pizza para o almoço de domingo, por exemplo. Em 99%, a entrega de pizzas é só depois das 18h.
  • Paulistano acha que “queijo minas” é o frescal sem gosto de nada. Saiba disso ao pedir um sanduíche com “queijo minas”. Pra comprar o seu queijo minas padrão, procure os mercados maiores.
  • Ande sempre com um guarda-chuva e casaco à mão: aqui é capaz de fazer todas as quatro estações do ano em um só dia, mesmo naquele dia mais insuspeito, de céu azulão sem nuvens.
  • O tempo mais típico, que não existe em lugar nenhum de Minas, é aquele de céu CINZA, sem um raio de sol, com cuspidelas de chuva caindo de vez em quando e um frio do cão. Por isso batizei São Paulo de Terra Cinza logo que cheguei. Não se abata!
  • Se quiser deixar um corinthiano puto, basta chamá-lo de ladrão ou fazer referências a isso.
  • Se quiser deixar um são-paulino puto, basta chamá-lo de bambi.
  • Se quiser deixar um palmeirense puto, basta chamá-lo de porco. Aparentemente eles não gostam do próprio mascote.
  • Tem que ficar do lado direito na escada rolante do metrô, deixando o esquerdo livre para os apressadinhos passarem. A propósito: todo mundo tem MUITA pressa!
  • Apesar disso, pegar fila para entrar em bar ou restaurante mais badaladim é quase natural. Prepare sua paciência.
  • Paulistano acha que não tem sotaque. Tem cinco, mas deixe que achem que não têm nenhum 😉
  • Não pode fumar em locais fechados, nem mesmo debaixo de toldos — embora muitos lugares façam vista grossa debaixo dos toldos. (Não que eu ligue a mínima para o sufoco dos fumantes.)
  • Prepare-se: a cerveja é quente e muito mais cara na maioria dos lugares. O melhor é comprar a sua própria e chamar os amigos para tomarem em temperatura mineira na sua casa.

Dicionário básico/tradutor

Lembrei de mais uma: casaco/agasalho = blusa (só blusa, sem o “de frio”).

Fiquem à vontade para acrescentar mais lembranças aí nos comentários! 😉