‘O Desaparecimento de Stephanie Mailer’: um livro feito com pressa

Terminei de ler “O Desaparecimento de Stephanie Mailer” com uma grande dúvida: será que eu é que tinha supervalorizado “A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert” ou o autor dos dois livros, Joël Dicker, é que decaiu de qualidade assustadoramente entre os dois romances policiais?

Porque, quando terminei de ler aquele romance policial, em 2014, escrevi aqui no blog que era um dos livros que mais tinham me dado “fome de ler” na vida. Eu tinha adorado. Tinha percorrido 572 páginas e, ao final, estava morrendo de saudades da história.

Desta vez foi diferente. Percorri rapidamente as 575 páginas, até porque é um livro de fácil leitura, mas estava doida para terminar logo, descobrir logo quem era o assassino da história, e partir pra outra.

No Goodreads, dei três de cinco estrelas para o livro. Ou seja, 60%. Ele passa de ano, mas de raspão. É uma leitura leve, ágil, e o autor ainda guarda a mesma capacidade do livro anterior de viajar pelo tempo e pelos narradores sem nos fazer perder o fio da meada. Ponto pra ele. Mas fiquei com a sensação de que ele tinha uma boa história em mente e quis terminar rápido – para vender rápido? Ou estava sendo pressionado pelos editores, depois do sucesso estrondoso do primeiro livro? –, e acabou não conseguindo trabalhar direito nem texto nem o enredo.

Pra piorar, ele usa a mesmíssima fórmula do “Harry Quebert”. Deu certo uma vez, por que não repetir, certo? Mas, desta vez, seu livro está cheio de furos*. Os detetives que investigam os crimes são tão ruins de serviço que às vezes dá vontade de sacudir o livro e gritar: “Ô! Não vão fazer isso antes, não? Por que não investigam aquilo?” Afinal, sou leitora voraz de livros policiais. Não é fácil me fazer de boba com essa lenga-lenga.

Daí, no fim, como num passe de mágica, eles conseguem solucionar os crimes da forma mais inverossímil do universo. É como se o autor tivesse se enchido de escrever, depois de 550 páginas, e tivesse resolvido dar um basta de qualquer jeito e acabar logo com aquilo.

E, por falar em inverosímil, os personagens são completamente absurdos. É caricatura pura. Vou citar os quatro piores, e vocês, ao ler, vão entender o que eu digo: Steven, Alice, Meta e Kirk. Gente, na vida realmente não tem como existirem pessoas assim. É simplesmente impossível. Daí que, toda vez que apareciam, eu tinha vontade de pular o capítulo logo.

Sim, porque, mais uma vez, o autor usa o recurso de entrelaçar capítulos. Ele alterna fatos que estão acontecendo em 2014 com outros que aconteceram 20 anos antes. É um recurso interessante, que vários outros autores vêm usando, mas que, neste livro, foi aplicado de forma um pouco excessiva. Quando você está no auge de um acontecimento, vai lá uma parte super extensa relembrar a história do narrador da vez, desde o nascimento até a vida adulta dele. Interrupção inconveniente, eu diria.

Poxa, mas não tem nada de bom no livro? Como eu disse, ele passou de ano de raspão. É um livro policial com aqueles ingredientes básicos do suspense, a leitura é fácil de ser percorrida, só nos incomoda um pouco as balelas do percurso. E tem mais uma coisa: o início do livro é muito bom. As primeiras, sei lá, 150 páginas, quando ainda estamos no mistério do desaparecimento de Stephanie, e o trio pateta de detetives não deu ainda início a suas investigações duvidosas. O começo é bom, o meio vai piorando e o fim é bem fraco.

Talvez se o autor não estivesse tão preocupado em repetir o sucesso do primeiro livro, recorrendo às mesmas fórmulas e recursos, com uma pressa tão grande, talvez aí tivéssemos um bom segundo livro policial para dar fome de ler, para ter saudades no fim. Mas o que temos é um livro que chega ao fim com a frase mais clichê do mundo, que nos faz suspirar, desta vez, apenas de alívio por ter finalmente terminado.


“O Desaparecimento de Stephanie Mailer”
Joël Dicker
Intrínseca
575 páginas
De R$ 38,90 a R$ 59,90

 

 

*Coloco esse asterisco só para quem já tiver lido o livro ou não se importar com spoiler: gente, o que é aquele fim que o autor arranjou para o personagem Steven? Qual a lógica daquilo?! Como que uma personagem pode simplesmente desaparecer do mapa, ninguém nunca ter a curiosidade de ir atrás dela e, quando o cara escreve confessando tudo, ninguém se dar conta de que se trata de uma confissão?! Qual a lógica? Qual a lógica? Socorro!

Leia também:

***

Quer assinar o blog para recebê-lo por email a cada novo post? É gratuito! CLIQUE AQUI e veja como é simples!

faceblogttblog

Anúncios

Melhores livros de 2014

Continuando uma tradição deste blog, segue uma lista dos 10 livros mais divertidos deste ano:

sempreemdesvantagem

 

Sempre em desvantagem, de Walter Mosley, 236 págs. 14 capítulos, que também podem ser lidos como contos separados, sobre a história de Sócrates, um ex-presidiário que mora em Los Angeles, nos Estados Unidos. Leia mais sobre ele AQUI.

 

 

ogoano

 

O Jogo do Anjo, de Carlos Ruiz Zafón, 410 págs. Esotérico, mas muito muito bom e bem escrito, com um narrador-personagem engraçado, irônico e sombrio ao mesmo tempo. Este não virou best-seller por acaso, não. Leia mais sobre ele AQUI.

 

 

xadrez

 

A Máquina de Xadrez, de Robert Löhr, 351 págs. História real, de um barão do século 18 que enganou toda a corte imperial de Viena ao anunciar ter criado uma máquina que consegue jogar xadrez — um autômato que pensa. Na verdade, era um anão genial, escondido dentro do mecanismo. As consequências da fraude e a ansiedade gerada por ela são muito boas. Leia mais sobre ele AQUI.

 

holocausto

 

Holocausto Brasileiro, de Daniela Arbex, 255 págs. Uma história pouco conhecida dos brasileiros, embora tenha sido uma tragédia — praticada com o aval do Estado — que resultou na morte de ao menos 60 mil pessoas em 50 anos. Um livro-reportagem que, embora relate o horror, sabe amenizá-lo com histórias emocionantes e muito humanas. Leia mais sobre ele AQUI.

 

 

cuco

 

O Chamado do Cuco, de Robert Galbraith (JK Rowling), 447 págs. Um detetive que investiga um assassinato de top model confundido com suicídio. Leia mais sobre ele AQUI.

 

 

 

pelefria

 

A Pele Fria, de Albert Sánchez Piñol, 239 págs. Um homem que decide, por conta própria, passar um ano inteiro numa ilha minúscula perto da Antártica, onde só vive mais um habitante. Mas aí, logo no começo, descobrimos que a ilha não é assim tão desabitada, e nosso protagonista terá de lutar diariamente, com todas as suas forças e recursos escassos, para salvar a própria pele. Leia mais sobre ele AQUI.

 

 

dan

 

Inferno, de Dan Brown, 446 págs. Imaginei que seria um best-seller chato, mas, além de ser muito bem escrito, traz reflexões interessantes sobre a superpopulação, embora não seja este seu objetivo principal. Pode ser encontrado por a partir de R$ 19,14.

 

 

leitederramado

 

Leite Derramado, de Chico Buarque, 195 págs. Leia sobre ele AQUI, é muito difícil resumir em poucas linhas.

 

 

 

quebert

 

A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert, de Jöel Dicker, 572 págs. Tem todos os ingredientes que os bons livros costumam ter, e muito mais: tem suspense, drama, comédia, sátira, história de amor, história policial, várias narrativas entrelaçadas (contadas por personagens diferentes, em formatos diferentes, em épocas diferentes, tudo de forma tão coesa que, mesmo com mil reviravoltas, você nunca perde o fio da meada). Leia mais sobre ele AQUI.

 

dorian

 

O Retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde, 298 págs. Um clássico da literatura que questiona a busca incessante pela beleza e pela juventude eternas. O mais interessante do livro, que tem seus momentos entediantes, são as falas de Lorde Henry, que é o personagem mais instigante do livro, e solta muitas pérolas sobre seu modo peculiar de encarar a vida. Mais sobre isso AQUI. Pode ser comprado a partir de R$ 13,80.

 

Leia também:

Um livro que me deu fome de ler

quebert

Eu nunca tinha ouvido falar desse livro. Não vi nem em críticas de jornais, nem em blogs, nem no “burburinho” das redes sociais. E olha que foi um dos livros da Flip, mas, em julho, minha cabeça estava muito mais perto da Copa e das Eleições do que da Literatura.

O fato é que vi “A Verdade sobre o Caso Harry Quebert” numa dessas bancadas de livraria dentro de aeroporto e imediatamente fiquei interessada. Desde o título à ilustração da capa — uma cidade pacata dos Estados Unidos da década de 50, mas que bem poderia ser de 20 anos depois –, passando pelo resumo na orelha e chegando às dezenas de notas elogiosas de jornais do mundo todo, que classificavam o livro como “fenômeno global”, “melhor do ano”, “narrativa brilhante”, “romance mais comentado da década”, que “será estudado por futuros escritores” e que, depois dele, “a literatura contemporânea nunca mais será a mesma”. Uau!

Passei a viagem toda penando para acabar o outro livro que eu lia no momento, e me mordendo de curiosidade para ler este, que dormia na mala. Sentia uma agitação incomum, em se tratando de um autor que para mim era desconhecido (e, ainda por cima, tem a minha idade!).

Quando finalmente comecei a ler, não parei mais. Qualquer momento de folga que eu tinha, inclusive nos 20 minutos antes de sair para o trabalho, que uso para cochilar, aproveitei para ler. Eu não sentia tanta fome assim por um livro desde “Cem Anos de Solidão”, que eu lia até na fila do cinema.

Terminei de ler à 1h da madrugada de ontem.

Um dos personagens, o mestre do narrador, diz em dado momento: “Cerca de meio segundo após terminar o seu livro e ler a última palavra, o leitor deve se sentir invadido por uma sensação avassaladora. Por um instante fugaz, ele não deve pensar senão em tudo que acabou de ler, admirar a capa e sorrir, com uma ponta de tristeza pela saudade que sentirá de todos os personagens. Um bom livro, Marcus, é um livro que lamentamos ter terminado.”

E é isso que sinto hoje: saudade do livro que já acabei de ler e que lamento ter terminado, mesmo após quase 600 páginas.

E por quê?, você vai me perguntar. Porque tem todos os ingredientes que os bons livros costumam ter, e muito mais: tem suspense, drama, comédia, sátira, história de amor, história policial, várias narrativas entrelaçadas (contadas por personagens diferentes, em formatos diferentes, em épocas diferentes, tudo de forma tão coesa que, mesmo com mil reviravoltas, você nunca perde o fio da meada). Os personagens são bem construídos, alguns ultra-exagerados, são bem-humorados e cheios de vida. E, para melhorar ainda mais, é um livro metalinguístico, que, o tempo todo, aborda a execução do próprio livro, com muitos conselhos práticos para quem quer ser um escritor e críticas de sobra ao modelo editorial moderno.

Em resumo, é a história de um escritor, Marcus Goldman, com bloqueio de inspiração, que vai passar uma temporada na casa de seu mestre, amigo e antigo professor, o ilustre escritor Harry Quebert. Pouco depois, o cadáver de uma menina que desapareceu em 1975, aos 15 anos, é encontrado enterrado no jardim de Quebert e ele é acusado de assassinato, 33 anos após o crime. Para provar a inocência do amigo, Goldman começa a investigar a história por conta própria. E navega entre relatos que se iniciam na década de 60 e só vão terminar em 2008. Fora isso, não vou contar mais nem um detalhe sobre o enredo, porque será muito mais divertido você descobrir sozinho. Eu prometo 🙂

“A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert”
Joël Dicker
Intrínseca
572 páginas
De R$ 23 a R$ 37