Martokos, um grafiteiro cheio de estilo em BH

Outra descoberta que eu fiz no Festival Verbo Gentileza, do qual falei ontem, foi o artista Martokos. Ele disse que trabalha há 20 anos com grafites pelas ruas de BH, além de também fazer outros tipos de pinturas.

Eu o encontrei vendendo numa das bancas da feira na manhã de domingo, e claro que comprei cinco ímãs para minha coleção.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Como sempre entram em contato comigo para pedir telefones de grafiteiros, só por causa da galeria de fotos que montei, esta foi uma boa descoberta. Anotem aí os contatos do Martokos, caso queiram contratá-lo para algum trabalho: (31) 98879-1183 ou oi.martokos@gmail.com.

Para ver outros trabalhos dele é AQUI.

 

Leia também:

***

Quer assinar o blog para recebê-lo por email a cada novo post? É gratuito! CLIQUE AQUI e veja como é simples!

faceblogttblog

Anúncios

Grafiteiros de Belo Horizonte: manifestem-se!

grafites

Há dois anos e meio, criei uma página aqui no blog para divulgar os grafites que enfeitam as ruas de Belo Horizonte. Hoje, a galeria de fotos tem mais de 200 imagens dos trabalhos de arte nos muros e paredes de todas as regiões da cidade.

Como é uma página atualizada com frequência, e muito acessada, ela aparece sempre no alto das buscas do Google quando alguém procura por grafites. E, provavelmente por isso, recebo com frequência – às vezes uma vez por semana! – propostas de trabalho para grafitar algum muro da cidade.

Só que tem um “pequeno” detalhe: eu não sou a artista, gente! Mal-mal sei desenhar uma casinha num papel, que dirá fazer essas belas paisagens e retratos incríveis que esses grafiteiros conseguem fazer. O único trabalho que tive foi de olhar, admirar, fotografar e postar aqui no blog, com os endereços e, quando sei, os nomes dos autores.

Até hoje, só uma grafiteira de BH deixou seus contatos para que eu pudesse repassar a quem oferecesse trabalhos.

ATUALIZAÇÃO: Tenho agora o contato do Rafael David (veja o telefone dele AQUI) e do Martokos (veja o telefone dele AQUI).

Por isso, resolvi fazer este post com um apelo: se você tem esse talento incrível e sabe fazer grafites, deixe também seus contatos para que eu possa te indicar sempre que alguém surgir com uma proposta de trabalho. Assim, posso ser essa ponte, ajudando tanto quem quer ver uma parede mais colorida quanto quem pode estar em busca de um trabalho.

Você pode me enviar seus contatos pelo email do blog. Se você não é grafiteiro, mas conhece um, não deixe de avisá-lo também! 😉

CLIQUE AQUI para ver as mais de 250 fotos de grafites sensacionais que estão em muros de todas as regiões de Belo Horizonte.

faceblogttblogPague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!

Concurso para grafiteiros na UFMG

grafite2

Fui informada pelo diretor da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFMG, Fernando Filgueiras, que a universidade lançou um edital, no final do ano passado, convocando artistas interessados em pintar/grafitar nas paredes da Fafich. O tema dos trabalhos é “Humanidade e condição humana” e os grafiteiros interessados devem inscrever suas propostas até o dia 15 de fevereiro.

Por um lado, a iniciativa é muito legal. Como diz o texto de divulgação da UFMG, grafite tem tudo a ver com a faculdade: “Fafich e o grafite têm história em comum: as inscrições nas suas paredes no antigo prédio da rua Carangola foram tombadas como patrimônio histórico. Quando a Faculdade se mudou para o campus Pampulha, em 1990, artistas e alunos da Escola Belas Artes da UFMG homenagearam os recém-chegados com um grafite nas paredes da Arena localizada na entrada do prédio”.

Por outro lado, os selecionados para o projeto não receberão qualquer tipo de remuneração: apenas 40 latas de spray, que os artistas dizem ser insuficientes para um trabalho desse porte. Dois grafiteiros se manifestaram por email dizendo que não farão parte nem indicarão o edital. Uma das artistas escreveu o seguinte: “Esse é um trabalho comercial, a execução também deve ser remunerada e não apenas o material. A criação do projeto é o mais caro de tudo, afinal quem trabalha com arte, não tira isso do nada, são anos de dedicação. Fico admirada que uma universidade como a UFMG não tenha consciência disso.”

Mesmo assim, como admiradora dos grafites e ex-aluna da Fafich, resolvi divulgar o edital aqui no blog. Se você estiver interessado em deixar sua assinatura naquelas paredes históricas, CLIQUE AQUI e veja o edital na íntegra 😉

Veja também:

faceblogttblogPague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!

tarja_licenca

 

Em dois dias, galeria de arte do blog mais que dobra de tamanho

Um dos trabalhos acrescentados à galeria de arte do blog ;)

Um dos trabalhos acrescentados à galeria de arte do blog 😉

Em apenas dois dias, nossa novíssima galeria de arte do blog já conta com mais de 100 registros! Pra ser mais exata, 116 — mais que o dobro de quando a galeria foi lançada, no domingo. Tudo graças à contribuição do jornalista Guilherme Ávila, que já vinha fotografando grafites há vários meses.

Por enquanto, tenho representantes das seguintes regiões da cidade: centro-sul (Funcionários, Savassi, Serra, Cruzeiro, Mangabeiras, Centro, Morro do Papagaio), leste (Santa Efigênia, Pompeia, Santa Tereza, Floresta, Horto, Sagrada Família, Santa Inês), oeste (Barroca, Prado, Estrela Dalva), norte (Jardim Guanabara), nordeste (Fernão Dias) e noroeste (Santo André). Falta só do Barreiro, Venda Nova e Pampulha, mas logo essas lacunas serão preenchidas!

Clique AQUI e confira os trabalhos! 😉

O grafite em BH

Foi-se o tempo em que o grafite era visto com olhos tortos, como se fosse uma pichação. Basta ver como artistas como Os Gêmeos são disputados a tapa (e a grandes fortunas) em exposições mundo afora. Ou ver a idolatria que existe acerca do misterioso Banksy, de que já falei aqui no blog. Em São Paulo, existe o Beco do Batman, com muros totalmente forrados de grafite, que atrai turistas do mundo inteiro. E a Red Bull resolveu adotar o projeto Street Art View, um gigantesco mapa mundial com fotos e localização de grafites ao redor do planeta.

Assim como São Paulo tem seu Cambuci, o bairro onde Os Gêmeos começaram a trabalhar, ainda nos anos 80, e que já foi berço de vários outros grafiteiros talentosos, outras cidades já estão formando redutos particulares. Em Beagá, ainda não existe um bairro onde a arte de rua esteja mais presente, mas já temos nossos grafiteiros renomados, inclusive fora do país. É o caso do Davi de Melo Santos e do André Dalata. Outra que está espalhando sua arte pelas ruas da cidade é a Maria Raquel Bolinho, autora dos simpáticos cupcakes que ilustram o muro da choperia Devassa, na Savassi. Também temos os palhacinhos de Zack, a arte de Hyper e a das Minas de Minas, quatro mulheres que fazem grafite na capital mineira. Esses são alguns dos grafiteiros mais importantes hoje na cidade, que teve como grande incentivador da técnica o artista plástico Rui Santana, que morreu em 2008, aos 48 anos, e idealizou a primeira Bienal Internacional do Grafite, naquele mesmo ano.

Coloco abaixo nove grafites que fotografei nas últimas semanas. Foi com o celular mesmo, sem pensar que iriam ser usadas no blog. Mas vou adicionando aos poucos, sempre que vir um grafite novo que mereça o registro. E aceito duas contribuições dos leitores deste blog: a autoria e localização das imagens abaixo, caso vocês saibam, e o envio de mais fotos de grafite em BH, para eu acrescentar aqui. Minha ideia é tornar este post uma grande galeria de grafites, só produzidos em Belo Horizonte. Ajudem! 😉

Grafite de Marcelo Gud, na rua do Ouro, na Serra.

Grafite de Marcelo Gud, na rua do Ouro, na Serra.

20130127_183707

Foto0152

Grafite do “16”, que fica na rua Santa Rita Durão, bairro Funcionários.

Foto0350

Grafite do MTS, em alguma rua da Savassi.

IMG_20140129_123246

Grafite de Maria Raquel Bolinho. Fica na rua Professor Morais com av. Getúlio Vargas.

IMG_20140129_123254

Grafite na rua Professor Morais com av. Getúlio Vargas.

IMG_20140315_111755

Grafite de Baba Jung, na rua do Ouro, Serra.

IMG_20140315_165018

Grafite de Hyper. Na rua Gonçalves Dias, 1.440, campus Liberdade da UNA.

Grafite na rua Palmira, na Serra.

Grafite na rua Palmira, na Serra.

Grafite de Marcelo Gud, na rua Prof. Estêvão Pinto, Serra.

Grafite de Marcelo Gud, na rua Prof. Estêvão Pinto, Serra.

IMG_20140326_154223

Grafite  do Mosh, na avenida Amazonas, Barroca.

Contribuições enviadas ao blog:

Grafite de Dite e Douglas, na rua San Salvador, no bairro Estrela Dalva. Foto enviada por Beto Trajano. (OBS.: o grafite não está mais lá)

Grafite de Dite e Douglas, na rua San Salvador, no bairro Estrela Dalva. Foto enviada por Beto Trajano. (OBS.: o grafite não está mais lá)

Grafite histórico de BH, debaixo do viaduto de Santa Tereza, enviado por Davi de Melo Santos. Foi feito por ele próprio, com Seth, Hyper, Dalata e MTS.

Grafite histórico de BH, debaixo do viaduto de Santa Tereza, enviado por Davi de Melo Santos. Foi feito por ele próprio, com Seth (da França), Hyper, Dalata e MTS.

Grafite de Davi de Melo Santos e André Dalata. Do Flickr de Davi, enviado por ele ao blog: http://www.flickr.com/photos/demelosantos.

Grafite de Davi de Melo Santos e André Dalata, na rua Gonçalves Dias, perto da Praça da Liberdade, no muro da UNA. Do Flickr de Davi, enviado por ele ao blog: http://www.flickr.com/photos/demelosantos.

Grafite de Davi de Melo Santos, na Vila Estrela, Morro do Papagaio. Do Flickr de Davi, enviado por ele ao blog: http://www.flickr.com/photos/demelosantos

Grafite de Davi de Melo Santos, Hyper e André Dalata, no Viaduto de Santa Tereza.

Grafite de Davi de Melo Santos, Hyper e André Dalata, no Viaduto de Santa Tereza. Do Flickr de Davi, enviado por ele ao blog: http://www.flickr.com/photos/demelosantos

Grafite de Davi de Melo Santos, André Dalata e Thiago Alvim, no bairro Santo André.

Grafite de Davi de Melo Santos, André Dalata e Thiago Alvim, no bairro Santo André. Do Flickr de Davi, enviado por ele ao blog: http://www.flickr.com/photos/demelosantos

Grafite de Davi de Melo Santos. Do Flickr de Davi, enviado por ele ao blog: http://www.flickr.com/photos/demelosantos

Grafite de Davi de Melo Santos, na região hospitalar, onde os fícus tiveram que ser podados. Do Flickr de Davi, enviado por ele ao blog: http://www.flickr.com/photos/demelosantos