Ir para conteúdo

Ucrânia destruída pelos mísseis X Minas Gerais pilhado pelos governantes

Texto escrito por José de Souza Castro:

 

Charge do Duke no DOM Total em 22/11/2019

 

Vender a Cemig, uma traição“. Este é o título do artigo do prefeito de Betim, Vittorio Medioli, publicado no dia 5 de março no jornal “O Tempo”, de propriedade dele. Já escrevi sobre Medioli aqui algumas vezes, como já escrevi muito sobre a Cemig em outros tempos e veículos.

Posso dizer que vi o nascimento, o crescimento e, agora, a lenta agonia da principal estatal mineira, que vai sucumbindo à ganância do capital privado acumpliciado com políticos mineiros de diferentes partidos.

Neste momento, descreve Medioli, um empresário e político que sabe das coisas, “o acordo dito de Regime de Recuperação Fiscal (RRF), que emperra a pauta da Assembleia [Legislativa], tem uma cláusula vinculante de liquidar o patrimônio que resta ao Estado, para pagar a dívida, que continuará acima de R$ 120 bilhões. E, ainda, aceitar a intervenção no Estado, que tolhe a soberania a Minas e a transfere aos credores”.

Enquanto isso, percepção minha, estamos todos preocupados com a perda de soberania da Ucrânia. Esse país, considerado o maior da Europa depois da parte europeia da Rússia, tem extensão territorial apenas cerca de 17 mil e 200 quilômetros quadrados maior que Minas, cujo PIB (Produto Interno Bruto) ficou em 2020 somente 30 bilhões de dólares menor que o da Ucrânia.

Este país, como se sabe, está sendo destruído pelos mísseis russos, enquanto Minas foi sendo pilhada, ao longo da última década, observa Medioli, “pelo grupo mineiro Andrade Gutierrez, sem citar o nome da construtora (amiga do governador), mas aproveitando claramente o período do inferno em que ela dominava a Cemig e que custou (sem correções, juros e perda de outras oportunidades) R$ 26 bilhões”.

Segundo Medioli, mesmo com essa pilhagem praticada pela Andrade Gutierrez, a Cemig tem “um valor de capitalização no Bovespa de R$ 24 bilhões”. Na opinião do prefeito de Betim, “a liquidação do patrimônio neste momento é um excelente negócio para quem comprar a Cemig e o resto dos bens de Minas, não para os mineiros nem para substancialmente minorar a dívida”.

Quem pensa que as próximas eleições poderão mudar a situação, um alerta que acabo de ler: PT e PSDB não devem lançar candidatos ao governo de Minas para concorrer com o atual governador, à frente das pesquisas eleitorais.

Desse modo, Romeu Zema, 54 anos, terá provavelmente mais quatro anos para avançar no seu projeto de liquidar com o que resta do patrimônio público do Estado de Minas Gerais.

Mas, sim, vamos nos preocupar com a Ucrânia…

 

Leia também:

***

Quer assinar o blog para recebê-lo por email a cada novo post? É gratuito! CLIQUE AQUI e veja como é simples!

faceblog
ttblog

Cristina Moreno de Castro Ver tudo

Mineira de Beagá, jornalista, blogueira, poeta, blueseira, atleticana, otimista, aprendendo a ser mãe. Redes: www.facebook.com/blogdakikacastro, twitter.com/kikacastro www.goodreads.com/kikacastro. Mais blog: http://www.otempo.com.br/blogs/19.180341 e http://www.brasilpost.com.br/cristina-moreno-de-castro

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: