Ir para conteúdo

‘Judas e o messias negro’: uma história que nunca pode ser esquecida

Vale a pena assistir: JUDAS E O MESSIAS NEGRO (Judas and the Black Messiah)
Nota 9

Daniel Kaluuya interpreta Fred Hampton lindamente

Pela primeira vez na história do Oscar, um filme que só teve produtores negros foi indicado à categoria de melhor filme do ano, segundo me informou o IMDB.

Vale lembrar que estamos em 2021, e esta será a 93ª edição do Oscar.

O filme se passa em 1968, em Chicago. Há mais de cinquenta anos, portanto. Naquela época, Fred Hampton, com apenas 21 anos, vice-presidente dos Panteras Negras, pregava ideias muito razoáveis, como a liberdade dos negros e dos mais pobres, e outras mais contestáveis, como a morte de todos os policiais, que promoviam massacres aos negros.

Ele morreu, mas seguimos, mais de 50 anos depois, tendo Oscars sem negros, e homens como George Floyd sendo assassinados por policiais no meio da rua. Ou vamos trazer pra mais perto de nós: temos homens como Beto Freitas sendo mortos por seguranças do Carrefour diante das câmeras.

Os Panteras Negras eram radicais? Sim, eram. Mas muito do que o jovem Fred dizia antes de ser executado sumariamente sem direito a julgamento em um país supostamente democrático era incrivelmente correto. E o grande mérito deste filme é trazer aquelas ideias, esquecidas por muita gente, desconhecidas pela maioria, à tona, tantas décadas depois.

No mesmo ano em que os 7 de Chicago – jovens brancos – foram julgados num verdadeiro teatro, Fred Hampton – negro, com apenas 21 anos – foi executado sem nenhuma justificativa. Ah, e Bobby Seale, o único negro naquele julgamento, foi humilhado e praticamente torturado em plena corte.

LaKeith Stanfield como o “judas” Bill

Este filme concorre por seu roteiro excepcional, pela atuação brilhante dos dois principais atores (Daniel Kaluuya, de “Corra!”, como Fred Hampton, e LaKeith Stanfield como o “judas” Bill), pela canção, fotografia e na categoria mais importante de todas, de melhor do ano. Não sei se vai levar em muitas delas, porque, afinal, estamos falando do Oscar.

Mas, vencendo ou não, nos terá feito pensar e mergulhar numa história que nunca pode ser esquecida.

Assista ao trailer do filme:

Leia também:

***

Quer assinar o blog para recebê-lo por email a cada novo post? É gratuito! CLIQUE AQUI e veja como é simples!

faceblog
ttblog

Cristina Moreno de Castro Ver tudo

Mineira de Beagá, jornalista, blogueira, poeta, blueseira, atleticana, otimista, aprendendo a ser mãe. Redes: www.facebook.com/blogdakikacastro, twitter.com/kikacastro www.goodreads.com/kikacastro. Mais blog: http://www.otempo.com.br/blogs/19.180341 e http://www.brasilpost.com.br/cristina-moreno-de-castro

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: