‘Pequena Abelha’: popularizando o drama dos refugiados

O filme vai ser com a Julia Roberts em um dos papéis principais. Ela vai ser a Sarah, uma jornalista de uns 30 e poucos anos, bem-sucedida editora-chefe de uma revista de moda, casada com um colunista famoso. Julia Roberts substitui outra star que tinha sido cotada antes para o papel, Nicole Kidman, conforme informado na orelha do livro. Ou seja, “Pequena Abelha” vai ser um filme daqueles blockbusters que todo mundo vê e comenta, tipo o “Extraordinário”, que Julia Roberts também estrelou recentemente.

Mas por que estou falando de um filme que ainda nem começou a ser filmado? Porque, enquanto eu lia “Pequena Abelha”, um best-seller em 20 países, eu imaginei várias cenas como cenas de filme. Acho que Chris Cleave certamente escreveu seu texto pensando em uma futura adaptação cinematográfica, como tinha acontecido com seu primeiro livro, “Incendiary”. E foi bem-sucedido nisso.

Não é demérito para este simpático livro de 270 páginas. Pelo contrário, significa que Cleave conseguiu criar cenas fortes, que aumentaram a dramaticidade de um enredo já bastante dramático sobre uma garota de 16 anos que viveu um pesadelo em sua terra natal, a Nigéria, e buscou refúgio na Inglaterra. O livro tem todo tipo de brutalidade que se possa imaginar. Parece querer arrancar nossas lágrimas a fórceps. E a narrativa visual contribui muito para isso.

Mas os maiores méritos de “Pequena Abelha” são de duas ordens: ideológica e narrativa. No primeiro caso, por popularizar um tema tão árduo que é o dos refugiados. Escancarar o absurdo de alguém não ter direito a uma vida digna apenas por ser de outro país. Abelhinha, a protagonista do livro, é, afinal, tão igual a qualquer um de nós. Ela tem uma sombra em seu passado e em suas memórias, mas tornou-se uma jovem mais forte por isso mesmo, além de ter se fortalecido aprendendo o idioma correto, falado por todos os outros, o que a aproximou dos demais. Inteligente, boa, forte… Vamos lendo e nos apaixonando cada vez mais por Abelhinha. E aí fica inevitável pensar: mas por quê? Por que ela não pode morar na Inglaterra, ou em qualquer outro lugar? E daí para “Por que qualquer outro refugiado não poderia encontrar abrigo onde haja um mínimo de humanidade?” é um pulo.

No segundo caso, porque Cleave constrói uma narrativa muito interessante, para além da questão das cenas de cinema. Ele usa o recurso de intercalar, a cada capítulo, a voz narrativa. Primeiro, é a da Abelhinha, depois a da Sarah, depois volta pra Abelhinha, e assim por diante, sempre em primeira pessoa, com dois estilos bem diferentes entre si. Ao usar esse recurso, ele cria suspense, mas também vai formando uma teia física que une as duas mulheres da trama, tão diferentes e tão parecidas ao mesmo tempo, a nigeriana e a britânica, que já eram unidas por um passado que só será revelado ao leitor lá pela centésima página.

Esse elo entre Abelhinha e Sara, físico e narrativo, é fundamental para gerar a empatia do leitor com as duas e, consequentemente, com a questão ideológica de pautar o drama dos refugiados para o mundo. Chris Cleave fez isso tão bem em seu livro que tornou-se best-seller. E agora ele vai alcançar muito mais simpatizantes, quando aquele sorrisão cativante de Julia Roberts aparecer no telão de cinemas pelo mundo afora.

Que assim seja!

Pequena Abelha
Chris Cleave
Tradução de Maria Luiza Newlands
Editora Intrínseca, 2010
270 páginas
De R$ 20 a R$ 39,90

Leia também:

***

Quer assinar o blog para recebê-lo por email a cada novo post? É gratuito! CLIQUE AQUI e veja como é simples!

faceblogttblog

Anúncios

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s