Presidente da Andrade Gutierrez cospe no prato em que comeu

Texto escrito por José de Souza Castro:

Em entrevista publicada domingo pela “Folha de S.Paulo“, o presidente da Andrade Gutierrez, Ricardo Sena, cospe no prato em que comeu. Melhor dizendo, cospe em Aécio Neves: “Não tenho o menor apreço”, diz, mas votou nele em 2014: “Votei no Aécio porque eu achava ele menos ruim que a Dilma. Mas sou do Aécio? Sou nada!”.

Esse trecho da entrevista feita pela repórter Renata Agostini foi suprimido pela edição impressa do jornal. O portal parece ter sido menos prudente – ou não deu a devida atenção à pretensa força de Aécio junto aos Frias, donos da Folha/UOL.

O mais interessante é que o próprio presidente do Conselho de Administração do Grupo Andrade Gutierrez, Ricardo Sena, que assumiu o cargo em 2015, depois que seu antecessor foi preso pela Lava Jato, parece também ter-se esquecido de como Aécio foi importante para a empresa, quando governador de Minas. No mínimo, o governador não pôs obstáculo a que a AG comprasse, em 2009, 32,96% do capital votante da estatal mineira adquiridos sem licitação, durante o governo do também tucano Eduardo Azeredo, pelo consórcio formado pelas americanas AES e Mirant e pelo Banco Opportunity. Mais informação sobre isso AQUI e AQUI.

Logo no começo da reportagem, afirma-se que Ricardo Sena não está envolvido nas irregularidades confessadas pela empresa às autoridades, mas “seu nome já apareceu na Lava Jato”. Diz que numa troca de mensagens entre executivos do grupo, ele aparece reclamando da vitória da petista Dilma Rousseff em 2014, quando derrotou o tucano Aécio Neves. Reportagem anterior da “Folha” sobre o tema cita Ricardo Sá – e não Sena.

Um erro. Ricardo Sena não desmentiu, quando Renata Agostini fez a seguinte pergunta: “ O senhor tem birra do PT? O senhor aparece na Lava Lato numa troca de mensagens com outros executivos da Andrade reclamando da vitória de Dilma Rousseff em 2014.” Resposta: Continuar lendo

Anúncios