E o cinema nacional, hein?

palhaco_vertical

Vejam como são as coisas.

Dos 135 filmes que vi desde 2010 (quando comecei a anotar), apenas 18 eram brasileiros. Ou seja, só 13%! Um oitavo dos filmes que vi!

O que isso significa?

Não muita coisa. Pode significar que o cinema nacional produz muito menos filmes que os que chegam para mim de outros países, principalmente dos Estados Unidos. Mas também pode significar que me atraiam menos.

Resolvi então fazer uma listinha de recomendações, aos moldes da que faço todo fim de ano.

Aí o resultado:

Vale a pena ver

  1. Tropa de Elite 2
  2. Xingu
  3. Gonzaga — de pai para filho
  4. O Palhaço
  5. Heleno
  6. À Beira do Caminho

Veja se estiver com tempo sobrando

  1. De Pernas pro Ar
  2. Bruna Surfistinha
  3. Assalto ao Banco Central
  4. Faroeste Caboclo
  5. O Concurso
  6. Lula, o Filho do Brasil
  7. A Suprema Felicidade
  8. Cine Holliúdy

Não veja!

  1. Os Famosos e os Duendes da Morte
  2. O Bem Amado
  3. Qualquer gato vira-lata
  4. O Som Ao Redor (que, por sinal, foi recomendadíssimo pra mim, como um dos melhores do século. Arg)

Arredondando o quadro, o número de filmes de que gostei é só um pouco maior do que os que detestei e, na maior parte das vezes, achei o longa só bonzim ou razoável.

Por que trouxe essa lista pro blog hoje? Porque, embora digam que também existe outra data, hoje é um dos dias em que se comemora o Cinema Nacional. Eu, como cinéfila que sou, parei pra fazer essas contas pela primeira vez hoje. E me espantei com o resultado. Tenho o cinema brasileiro em tão baixa conta assim? Ou o cinema brasileiro ainda tem muito o que melhorar?

Claro que, olhando num histórico mais distante, lembro de outros filmes que ADOREI, que poderiam encher a primeira parte desta lista: Linha de Passe, Cidade de Deus, Ilha das Flores, Estômago, O Auto da Compadecida, Bicho de Sete Cabeças, Carandiru, O Céu de Suely, Central do Brasil, O Homem que Copiava, Lisbela e o Prisioneiro, Loki, Tropa de Elite, Uma Onda no Ar e, claro, O Menino Maluquinho.

Mas, ainda assim, eu poderia fazer uma lista com o triplo do tamanho, só de filmes franceses, ingleses, argentinos e, sobretudo, norte-americanos.

O que acontece com nosso cinema? Acho que a primeira coisa a se pensar é: falta investimento. Mas como é lá na Argentina, nossa querida vizinha? Por que simplesmente amo todo filme argentino que assisto? É uma questão de gosto? De estilo? De escola? Será que essa é a impressão que todos têm, ou só eu?

Enfim, tou ainda matutando aqui… E você, o que acha? A propósito: concorda com a listinha acima? Mudaria algum de categoria? Quais outros filmes brasileiros acrescentaria? 😉

 

Leia também:

Anúncios