Ir para conteúdo

Piratas do Caribe são fichinhas

Texto de José de Souza Castro:

O estudo intitulado “The Price of Offshore Revisited”, encomendado a James Henry, ex-economista chefe da consultoria McKinsey, pela ONG Tax Justice Network, é um soco no estômago dos super-ricos no mundo todo, principalmente no Brasil, que estão sempre a reclamar das elevadas taxas de impostos. Parece que lhes falta razão para o chororô, pois escondem boa parte de sua fortuna em paraísos fiscais para fugir dos impostos que deveriam estar pagando e, assim, contribuindo para o desenvolvimento do país. Os brasileiros estão entre os que mais enviam dinheiro para esses paraísos, alguns deles em ilhas do Caribe onde no passado piratas escondiam suas arcas do tesouro.

James Henry afirma que os super-ricos que fogem do pagamento dos impostos tinham em 2010 mais de 21 trilhões de dólares escondidos, com a ajuda de grandes bancos, escritórios de advocacia e firmas de investimentos. A cifra é grande, mais o autor admite que ela pode ser muito maior.

Segundo ele, o que se perde em arrecadação de impostos é suficientemente grande para fazer diferença significativa nas finanças de muitos países. Para Henry, a descoberta tem seu lado bom: “O mundo acaba de localizar um imenso estoque de riqueza financeira que poderia ser convocada a contribuir para a solução de nossos problemas globais mais prementes”, disse.

Suas pesquisas revelam que 100 mil clientes dos bancos UBS, Credit Suisse e Goldman Sachs enviaram para paraísos fiscais cerca de 9,8 trilhões de dólares, o que significa um enorme buraco negro na economia mundial.

Com base nesse estudo, a Agência Brasil informou hoje: “Os super-ricos brasileiros somaram até 2010 cerca de US$ 520 bilhões (ou mais de R$ 1 trilhão) em paraísos fiscais. Trata-se da quarta maior quantia do mundo depositada nesta modalidade de conta bancária.” E acrescenta que James Henry estima que entre 1970 e 2010, os cidadão mais ricos de 139 países aumentaram, de 7,3 trilhões para 9,3 trilhões, a riqueza “offshore” não registrada para fins de tributação.

Segundo John Christensen, diretor da Tax Justice Network, organização que combate os paraísos fiscais, “no caso do Brasil, quando vejo os ricos brasileiros reclamando de impostos, só posso crer que estejam blefando. Porque eles remetem dinheiro para paraísos fiscais há muito tempo”.

Enquanto isso, o leão da Receita Federal corre atrás de trabalhadores assalariados e de médicos e dentistas…

Cristina Moreno de Castro Ver tudo

Mineira de Beagá, jornalista, blogueira, poeta, blueseira, atleticana, otimista, aprendendo a ser mãe. Redes: www.facebook.com/blogdakikacastro, twitter.com/kikacastro www.goodreads.com/kikacastro. Mais blog: http://www.otempo.com.br/blogs/19.180341 e http://www.brasilpost.com.br/cristina-moreno-de-castro

Um comentário em “Piratas do Caribe são fichinhas Deixe um comentário

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: