De BonitoBH para Delegata* — outra versão

Foto: Douglas Magno / "O Tempo" - 17.9.2013

Foto: Douglas Magno / “O Tempo” – 17.9.2013

“Olá, minha cara Delegata.

Vi suas faixas lá no bairro Santo Antônio e, confesso, quase caí duro no chão. Nunca imaginaria que, dez dias depois da nossa agradável conversa no bate-papo, as bobagens que falei sob o apelido de “BonitoBH” ainda estariam flutuando em sua linda cabecinha juvenil.

Bom, o fato é que eu estava indo para a banca de jornais, comprar a edição do dia, quando vi aquela faixa pela primeira vez. No primeiro momento, não atinei que era comigo. Mas quem entra em chats hoje em dia, não é mesmo? Fiquei com um frio na barriga, que logo se transformou em terror quando li a reportagem, naquele mesmo jornal que fui comprar. Lá dizia que dezenas de pretendentes tinham te ligado, fingindo que eram eu. E você declarava que não se importava se eu tivesse outra profissão ou idade, mas queria, ainda, muito me conhecer.

Demorei esses dois dias tentando tomar uma decisão. Ligo ou não ligo? Meu medo, minha cara garota, era te decepcionar. Porque não menti na profissão, mas menti — de longe — na idade.

Por fim, decidi te procurar, mais para acabar logo com sua doce ilusão de amor perfeito. Vou ser direto: sou casado. E mais: há 50 anos. Pois é, minha flor, não tenho aqueles perdidos 34 anos que anunciei, mas, sim, 40 a mais que isso. Tenho quatro filhos, três netos e já me aposentei, há tempos, da banca de advocacia.

Sei que não foi muito legal ter criado essa falsa expectativa em você, mas é que, na verdade, nunca levei esses bate-papos a sério. Entro neles mais para massagear meu ego, pensando que ainda posso conquistar algumas belas, e passar o tempo conversando com quem esteja disposto a me ouvir.

Encerro esta mensagem aconselhando você a fazer o mesmo e a não acreditar em tudo o que te dizem neste mar de mentiras que é a internet. E tome cuidado com toda essa exposição, porque muitos desses que te procuraram, fingindo serem o “BonitoBH”, podem estar querendo fazer coisas nada bonitas com você.

(Mas desejo do meu coração que, entre eles, surja, enfim, seu príncipe encantado, o advogado culto e bem-humorado de 34 anos, que se apaixonará por você e, com sorte, estará junto contigo pelos próximos 50 anos, com quatro filhos, três netos e uma história engraçada para contar para eles sobre como se conheceram.)

Me despeço agora, com um último pedido de desculpas.

Cordialmente,

Um ex-frequentador de chats.”

* Texto de ficção, inspirado na notícia “‘Delegata’ pendura faixas por BH para encontrar homem que conheceu pela internet“, publicada anteontem no jornal “O Tempo”.

A primeira versão do post pode ser lida AQUIVocê também pensou em uma versão para esta história? Me mande [pode ser aí nos comentários ou por email], que eu publico aqui no blog! Melhor: você é o “BonitoBH”? Apareça, meu filho! Queremos te ouvir 😀

Anúncios

De BonitoBH para Delegata*

Foto: Douglas Magno / "O Tempo" - 17.9.2013

Foto: Douglas Magno / “O Tempo” – 17.9.2013

“Olá, AdvoGata!

Pelo trocadilho que fiz com seu apelido, logo no começo da nossa conversa, você já sabe que sou eu mesmo, né? O BonitoBH. Engraçado é que, em todas aquelas horas de conversa no chat, em nenhum momento nós falamos nossos nomes. Bom, melhor manter o mistério… Inclusive porque, tenho que admitir, não fui sincero com você em toda a nossa conversa.

Calma, não sou casado mesmo, isso eu te jurei, né? Belo-horizontino solteiríssimo! E é verdade que nossas séries favoritas de TV são as mesmas. Eu também adoro seriados de detetives, como “Law & Order”, deve ser coisa da nossa profissão, né? rs. Tenho a coleção inteira dos DVDs, que eu disse que te emprestaria.

(Agora você vê que sou mesmo eu, né? Fiquei com ciúmes quando li que recebeu milhões de ligações e torpedos de pessoas se fazendo passar por mim. Mas aliviado quando você disse na notícia que saberia me reconhecer.)

É, já vou fazer de cara uma confissão, antes das outras. Não fiquei sabendo da sua “caçada” por mim vendo as faixas espalhadas pelo Santo Antônio, porque não moro mais lá. Quem mora lá são meus pais, mas já saí de casa… Eu só fiquei sabendo porque li no jornal e vi a repercussão no Facebook. Eu tinha ficado triste que você não tinha me passado seu telefone, mas dei pulos de alegria quando se arrependeu e resolveu espalhar faixas à minha procura. Senti mesmo que tinha me apaixonado por você, que era a pessoa certa! Não era só mais uma dessas mulheres desesperadas para encontrar um homem, era inteligente… E aquela sua foto com decote… uau!

Bom, aí entra outra confissão a fazer. Eu não deixei de te mandar foto porque estava no laptop do escritório, sem nenhuma legal pra enviar no chat. É que, na verdade, não me acho assim tão “bonito” como dizia meu nick. Tenho um problema de acne e uso aparelho, sabe? É passageiro, já estou em tratamento de pele. Também não frequento academias, como disse só pra te agradar. Mas, olha, pretendo! Assim que eu voltar a morar em Beagá, vou me inscrever.

É, não moro em Beagá, mas é temporário. Já-já estou de volta! Bom, naquela notícia você disse que queria muito me conhecer, mesmo que eu não fosse advogado nem tivesse a idade que disse na conversa. Lembra? Então vamos ver se é verdade: eu ainda não sou advogado, mas estou chegando lá! (rs, estou nervoso) Quando eu era criança, me diagnosticaram como um “gênio” (tipo os caras de “Big Bang Theory”, que a gente adora, né?) e passei no vestibular para Harvard Law School ainda aos 16 anos de idade. Consegui cumprir o currículo mais rápido e, bem, já me formo neste ano. Advogado mesmo! E volto a viver em Beagá, lá no bairro Santo Antônio. Foi a maior mentirinha que te contei naquela conversa, mas foi só para você não fugir. Bom, chega de adiar, uma hora eu tinha que te dizer: não tenho 34, tenho 19 anos.

Mas com cabeça de muito mais velho, você viu, né? Ainda quer me conhecer??????

Espero sua resposta com ansiedade. Vou para Beagá no Natal e espero te conhecer, querida AdvoGata. Com aquele decote! Prometo que não vou te decepcionar e não conto mais nenhuma mentirinha offline.

Beijo do seu Bonito.”

* Texto de ficção, inspirado na notícia “‘Delegata’ pendura faixas por BH para encontrar homem que conheceu pela internet“, publicada ontem no jornal “O Tempo”.