Ir para conteúdo

Poema enviado por leitor: ‘Chega de delicadezas e dedos afundados em cálices’

O poma abaixo, sem nome, foi escrito e enviado pelo leitor José Carlos de Oliveira, ou ZéBrasil. Ele é um jornalista de 60 anos, morador daqui da terrinha, Belo Horizonte, Minas Gerais.

Se você também tem algum poema, conto, crônica, resenha de filme, análise ou outro texto bacana de sua autoria que queira ver divulgado aqui no blog, envie para meu e-mail! Vou analisar com carinho e, se tiver a ver com nossa proposta, seu texto poderá ser publicado na seção de textos enviados pelos leitores 😉

Agora, vamos ao poema do ZéBrasil:


sou ardente, isento, insensato

fora do prumo até

não finjo que vim de

dentro, posto pra fora

na hora do parto atrasado, mas

fingem que não veem

mas estou na curva do caminho

pertinho de seu ego cego

enferrujado no pingo

longo da chuva que

vai cair ainda no

longo final dos tempos

escondido nos rastros dos canalhas

que se fingem diamantes

na fresta do olhar que

olham de soslaio na direção

errada,

chega de delicadezas e

dedos afundados em cálices com a

a mesma imagem refletida em tinto sangue que

denuncia que está na

hora de voltar a ser estrela velha escondida

no fundo  da consciência plana de um imbecil  que finge ser asa

a planar indiferentes lugares, flertando com abismos

a gotejar salivas em sórdidas taças

onde a verdade sussurra frias mentiras em

pequenas fatias poupadas  no escuro do bolso,

o sol fechou a cara amarela,

a semente caiu em  solo errado

veio a chuva e brotou um oceano

onde afogou o barco talhado na rocha

do  bico de uma  gaivota

que agora voa meu caixão insepulto,

tarde demais pra voltar ao primeiro verso

não dá mais pra reescrever,

o papel partiu-se em dois rumos e cada um deixou escapar palavras

que se esconderam em bocas alheias e canalhas, amaldiçoadas pelo riso torto em caras safadas,

tarde demais pra voltar ao primeiro  verso

tarde demais

o tempo envelheceu a boca maldita, que agora cospe brutalidade intestinal acumulada em tinto sangue, taças quebradas e corpos febris trilhando o corredor da morte em busca do perdão,

tarde demais pra voltar ao primeiro  verso, o castigo agora é o senhor de tudo,

agora sim o tinto sangue corre em veias velhas: pecado caro pago!

 


Você também quer enviar sua contribuição ao blog? CLIQUE AQUI e saiba como!

***

Quer assinar o blog para recebê-lo por email a cada novo post? É gratuito! CLIQUE AQUI e veja como é simples!

faceblogttblog

Cristina Moreno de Castro Ver tudo

Mineira de Beagá, jornalista, blogueira, poeta, blueseira, atleticana, otimista, aprendendo a ser mãe. Redes: www.facebook.com/blogdakikacastro, twitter.com/kikacastro www.goodreads.com/kikacastro. Mais blog: http://www.otempo.com.br/blogs/19.180341 e http://www.brasilpost.com.br/cristina-moreno-de-castro

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: