‘A Grande Jogada’: Os mais poderosos do mundo numa mesa de pôquer

Vale a pena assistir: A GRANDE JOGADA (Molly’s Game)
Nota 9

Este é o filme de estreia, como diretor, do roteirista Aaron Sorkin, que antes já tinha escrito o bom “A Rede Social” e o péssimo “Steve Jobs“. Ou seja: o forte dele é falar sobre personagens reais que têm, em comum, grande inteligência e talento para fazer dinheiro. Seu roteiro adaptado da biografia da Molly Bloom da vida real concorreu ao Oscar (perdeu para “Me Chame Pelo Seu Nome“, que achei bem mais fraco) e a outros prêmios importantes, como o Globo de Ouro. A atuação impecável de Jessica Chastain (Interestelar e Árvore da Vida) encarnando Molly também foi muito indicada em várias premiações, embora tenha ficado de fora do Oscar.

História e atriz são os pontos fortes deste filme.

Estamos falando de uma ex-atleta olímpica de esqui que resolve ganhar a vida organizando jogos de pôquer e acaba recebendo em suas rodadas figurões da alta sociedade — atores famosos de Hollywood, empresários, estrelas do esporte e, bem, também uma galera da máfia russa. Só esse resuminho já renderia um bocado de desdobramentos, mas tem muito mais coisa para apimentar a história real. Basta dizer que o filme praticamente começa com Molly sendo presa por 17 agentes do FBI. Continuar lendo

Anúncios