Ir para conteúdo

Taxa Libor ou o ouro dos tolos

Texto de José de Souza Castro:

A história do explosivo endividamento externo brasileiro, ocorrido nos últimos 30 anos, tem ligação estreita, mas ainda não conhecida em profundidade, com a fraude que acaba de ser descoberta na Inglaterra: o escândalo da Taxa Libor. Interessa ao Brasil, profundamente. Pois, à luz das descobertas, o governo poderá recorrer a tribunais internacionais para rever os termos dos contratos que continuam escorchando os contribuintes brasileiros.

O Brasil já havia descoberto que estava sendo espoliado por banqueiros internacionais ainda na década de 1980, como relata Stephen Kanitz em artigo recente, mas na época não teve condições para resolver o problema. A situação agora é outra, com o assunto já sendo discutido em tribunais no exterior. Mas continuamos pagando caro pelos pecados pós-golpe militar de 1964. Segundo esse mestre em Administração de Empresas pela Harvard University e ex-professor titular da USP, “desde 1964, dezenas de ministros e secretários da Fazenda assinaram sem pestanejar” contratos cujos juros “irão flutuar após a assinatura do contrato e os números revelados a posteriori”.

Uma maluquice, mas seus efeitos não seriam tão perversos, se 16 bancos ingleses que dão as informações diárias para estabelecer o valor de uma dessas taxas – a Libor – dessem informações corretas. Se não manipulassem a taxa para ganhar mais e prejudicar os devedores que assinaram os contratos. “A cláusula de juros da famosa dívida externa brasileira – e interna, por sinal – reza que o Governo do Brasil pagará a taxa Libor ou Selic, qualquer que venha a ser essa taxa no futuro”, escreveu Kanitz.

O endividamento externo brasileiro aumentou durante o chamado “milagre econômico” dos anos 70. No começo da década seguinte, ocorreu o choque financeiro decorrente da política do governo Reagan de elevação das taxas de juros, redução de impostos e rígido controle monetário. As medidas foram acompanhadas por outros países ricos e resultaram, de imediato, num aumento geral das taxas de juros cobradas nos empréstimos internacionais ao Brasil. A Prime-Rate, taxa americana, passou de 11,8% em 1978 para 21,5% em 1980. A Libor subiu de 12,3% para 17,5% no mesmo período. E os juros da dívida brasileira aumentaram de US$ 2,69 bilhões em 1978 para US$ 11,35 bilhões em 1982. Nesse intervalo, o que o governo gastava para honrar seus compromissos com a dívida passou de US$ 7,9 bilhões anuais para US$ 18,3 bilhões.

Começava a década perdida (não para os banqueiros internacionais) da história brasileira. E a situação piorou no começo deste século. “Em 2000, economistas da escola nominalista de FHC pioraram a situação lançando o Global Bond 40, com juros nominais fixos de 13% ao ano por quarenta anos, meses antes de a taxa Libor começar a cair para o atual patamar de 1,8%. Que lógica é essa? Não seria melhor lançar títulos com juros reais fixos, como incentivou a Euromoney vinte anos atrás, medida posteriormente adotada pelo governo americano, o que lhe permitiu lançar títulos com juros reais de 3%, os famosos TIPS?” – questiona Kanitz.

Voltando ao presente: para se defender, agora que foi pego com a boca na botija, o Barclays alega que está sendo vítima de perseguição, pois outros bancos mentiram ainda mais que ele, ao informar sobre o que estavam pagando para tomar empréstimos interbancários. Ou seja, a manipulação das taxas de juros foi geral – e nunca em favor do contribuinte brasileiro. Ou de seu governo, que recorria ao mercado internacional em busca de ouro, e trouxe de volta o ouro dos tolos.

Há quem ache que não será fácil encontrar todos os que ludibriavam nossos tolos sentados em postos importantes dos governos.

Cristina Moreno de Castro Ver tudo

Mineira de Beagá, jornalista, blogueira, poeta, blueseira, atleticana, otimista, aprendendo a ser mãe. Redes: www.facebook.com/blogdakikacastro, twitter.com/kikacastro www.goodreads.com/kikacastro. Mais blog: http://www.otempo.com.br/blogs/19.180341 e http://www.brasilpost.com.br/cristina-moreno-de-castro

Um comentário em “Taxa Libor ou o ouro dos tolos Deixe um comentário

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: