Ir para conteúdo

A invasão do Iraque e o olhar de um garoto

Comecei minha vida na blogosfera, há exatos 8 anos e 9 meses, quando a primeira bomba dos Estados Unidos soou no solo do Iraque, sob o comendo de George W. Bush, com a desculpa, então já esfarrapada, de que Saddam Hussein possuía armas de destruição em massa.

E só agora, cumprindo tardiamente uma promessa de campanha, Barack Obama anuncia a retirada definitiva dos soldados norte-americanos no país invadido. Sem cantar vitória, pelo menos.

O saldo, obviamente, foi aquela carnificina prevista:

  • 4.487 militares americanos
  • 10.000 soldados iraquianos
  • 104 mil civis iraquianos (a 113 mil)

Nunca vi guerra, ou invasão unilateral, deixar mais soldados que civis mortos. É sempre na escala de dez vezes mais civis destroçados do que soldados pagos para matar outros soldados.

Bom, quem melhor contou a história da saída dos Estados Unidos do Iraque foi um garoto que hoje deve estar com 14 anos.

Confesso que quando a Folha anunciou que João Montanaro seria novo chargista da nobre página 2 aos sábados, meu preconceito replicou: “Mas ele é muito novo! Não tem nem repertório!”

Mas, apesar de não ser meu traço favorito, tenho me surpreendido a cada dia com as charges do rapaz. E, convenhamos, eu também era quase “uma garota” quando comecei a palpitar pela internet afora — como posso criticar, então?

E vamos à que interessa, publicada no último sábado:

Disse tudo, não?

***

P.S. Sobre a morte de Kim Jong-il, hoje, deixando o filho de nome parecido em seu lugar, não tenho muito o que comentar. Que os norte-coreanos aprendam com os árabes e iniciem sua primavera atrasada (ou adiantada). E sempre há lugar para o humor (Dica do @AFranca :))

Cristina Moreno de Castro Ver tudo

Mineira de Beagá, jornalista, blogueira, poeta, blueseira, atleticana, otimista, aprendendo a ser mãe. Redes: www.facebook.com/blogdakikacastro, twitter.com/kikacastro www.goodreads.com/kikacastro. Mais blog: http://www.otempo.com.br/blogs/19.180341 e http://www.brasilpost.com.br/cristina-moreno-de-castro

7 comentários em “A invasão do Iraque e o olhar de um garoto Deixe um comentário

  1. Eu butucando de novo.

    Sobre a guerra no Iraque. O que eu achei interessante foi a maneira como ela correu, com ajudas humanitárias do EUA e etc. Essa situação é a perfeita guerra sem guerra. A guerra com menor perdas, guerra estratégica, que, no fim, não deu muito certo. Porém, a tentativa de ajudar os civis sob o argumento de que “não era culpa deles – não tem nada a ver com o conflito”, é a tentativa inútil de mostrar um lado legítimo na guerra. Porém, a guerra foi, desde o início, por motivos econômicos! Não há legitimidade nenhuma!

    Esta é a característica da guerra justa, ou da guerra pela paz, onde se combate somente O Mau, sem a intensão de prejudicar os civis inocentes. Seria uma guerra em nome dos direitos humanos universais, mas que se mostra como guerra por direitos particulares não-universais – ou melhor, se mostra como um interesse de um grupo sendo mostrado como interesse geral – pura ideologia.

    Curtir

  2. Cris, estou lendo “Paris no século XX”, escrito por Júlio Verne em 1863 e ambientado no ano de 1960. Ele previu que no começo do século 20 as guerras chegaram a um fim em todo o mundo, porque os homens compreenderam que não mais havia honra (!!!) em lutar numa guerra em que máquinas batalhavam umas com as outras. O editor de Júlio Verne, Pierre-Jules Hetzel, escreveu a ele em 1984, dizendo que não publicaria esse livro, para não desmerecer o autor de “Cinco semanas em balão”, considerando que esse livro futurista era obra de um escritor imaturo. E muito ingênuo, como se vê. O livro permaneceu inédito até 1994, quando alguém descobriu os originais esquecidos dentro de um cofre do filho de Júlio Verne e quis ganhar dinheiro com ele. Foi publicado no ano seguinte no Brasil, pela Ática. Comprei agora um exemplar novo na bacia das almas, por R$9,90. Não devia ter feito isso. Como você, li Júlio Verne quando adolescente. Há autores que devem ser lidos nessa idade, e nunca mais. Como Rafael Sabatini e seus piratas heróis. Talvez você escreva um post, se se animar a ler o livro nas férias. Quanto às guerras, enquanto houve grandes interesses econômicos disputados por países, haveremos de tê-las, até mesmo porque ajudam a minimizar algumas das contradições do capitalismo, ceifando vidas humanas e bens materiais, para que uns e outros sejam repostos para começar tudo de novo. Ah, se você for escrever um livro futurista, trate de ambientá-lo daqui a pelo menos três mil anos. Nem H. G. Wells resiste a um tempo mais curto que isso.

    Curtir

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: