Ir para conteúdo

‘Tick, tick… BOOM!’: você está realizando seus sonhos nesse tempo de vida que lhe resta?

Vale a pena ver na Netflix: tick, tick… BOOM!
Nota 8

Cena de “tick, tick… BOOM!”

 

Jonathan Larson foi provavelmente um jovem artista muito talentoso, que, aos 29 anos, já havia composto dezenas de músicas e era extremamente criativo. Seu sonho era emplacar sua peça, “Superbia”, à qual vinha se dedicando há anos, na Broadway. Enquanto isso, trabalhava como garçom numa lanchonete qualquer em Nova York.

Apesar de todo esse brilhantismo e de ele ter vivido há não tanto tempo assim (o filme se passa em 1990, poucos dias antes do aniversário de 30 anos de Jon), eu nunca tinha ouvido falar nele.

Pra gente ver como tem pessoas interessante espalhadas por aí que, ainda que fiquem conhecidas em seus nichos, muito raramente alcançam o povo em geral, que não sabe nada sobre a Broadway, por exemplo…

O que Jon mais queria era chegar aos 30 anos tendo alcançado seu sonho. E ele sentia o tempo escorrendo por suas mãos, num misto de correria real com ansiedade psicológica, que acho que todo mundo sente quando vira adulto. As pressões vêm de todos os lados naquela semana retratada no filme: ele tem que responder à namorada, tem que apoiar o amigo no hospital, tem que compor uma música-chave para a apresentação que aconteceria em breve, tem que pagar as contas urgentemente antes que cortem a energia elétrica de seu apartamento… tick tick BOOM!

O relógio parece um prenúncio de uma explosão iminente.

Quem nunca sentiu algo parecido depois dos 20? (Para alguns mais retardatários, depois dos 30, dos 40, mas uma hora chega). Temos muitas respostas a dar, muitas responsabilidades, muitas coisas fracassando ou prestes a fracassar, muitas pessoas adoecendo e morrendo, muitas contas a pagar, muitos sonhos a cumprir – ou a serem deixados de lado.

 

LEIA TAMBÉM:

Andrew Garfield interpreta Larson em “tick, tick… BOOM!”, da Netflix

 

Jon até tinha a oportunidade de trabalhar como, digamos, um criador de jingles ou de slogans publicitários, já que ele tinha um talento nato até para compor sobre um pote de açúcar. E mais que oportunidade: ele era cobrado por isso, porque tinha que parar de ser garçom, tinha que pagar as contas, tinha que ter dinheiro pra comprar um caderno de música etc. Mas ele não queria abrir mão de seus sonhos, pelo menos não ainda.

Se todos fossem corajosos e persistentes assim, quantos talentos sufocados pelas pressões da vida adulta poderiam chegar ao mundo ainda, poderiam já ter chegado?

Este musical nos faz pensar em tudo isso, e ainda ganha mais pontinhos pela interpretação de Andrew Garfield, que nunca tinha cantado em filmes antes e aqui cantou, dançou e interpretou o personagem real de Jonathan Larson com muita paixão. Ele concorreu ao Oscar de melhor ator, que acabou ficando com Will Smith, como todos nós lembramos. Vale destacar também que esta foi a estreia de Lin-Manuel Miranda como diretor, ele que também canta, dança e sapateia na segunda versão de Mary Poppins.

“Quanto tempo ainda nos resta para fazer algo incrível?” Este é o slogan do filme, mas bem pode ser o slogan da vida. O relógio está tiquetaqueando eternamente, à nossa revelia, e sempre estamos vivendo “o tempo que nos resta”. Então cabe a nós fazer o melhor possível com esse tempo, e realizar nossos sonhos deveria estar no topo da lista de prioridades, embora quase nunca esteja.

E você: está fazendo o que te faz feliz? Está com uma pessoa que te faz bem? Num emprego que te satisfaz? Está realizando seus sonhos nesse tempo de vida que lhe resta? Nesse tempo misterioso que pode ser de 50 anos ou de apenas 50 horas…? Tick, tick… BOOM!

 

Assista ao trailer do filme:

 

P.S. com spoiler: Como a vida gosta de nos pregar peças, vale dizer que Jon conseguiu realizar parte de seus persistentes sonhos, tendo vencido um Tony e um Pulitzer pela peça “Rent”, que escreveu depois, mas infelizmente morreu com apenas 35 anos. Ou seja, sua intuição aos 30 estava certa: não lhe restava muito tempo mais. Que bom que ele não abandonou tudo para fazer jingles de produtos cancerígenos em seus cinco últimos anos de vida…

 

Leia também:

***

Quer assinar o blog para recebê-lo por email a cada novo post? É gratuito! CLIQUE AQUI e veja como é simples!

faceblog
ttblog

 

Cristina Moreno de Castro Ver tudo

Mineira de Beagá, jornalista, blogueira, poeta, blueseira, atleticana, otimista, aprendendo a ser mãe. Redes: www.facebook.com/blogdakikacastro, twitter.com/kikacastro www.goodreads.com/kikacastro. Mais blog: http://www.otempo.com.br/blogs/19.180341 e http://www.brasilpost.com.br/cristina-moreno-de-castro

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: