Ir para conteúdo

Para não esquecer o rio Hamza

Texto de José de Souza Castro:

Em agosto passado, foram apresentados no Rio de Janeiro, durante o 12º Congresso Internacional da Sociedade Brasileira de Geofísica, estudos feitos por uma aluna de doutorado do Observatório Nacional (ON) que indicavam a existência de um rio subterrâneo debaixo do rio Amazonas que poderia ser o maior do mundo. O anúncio foi amplamente divulgado pela imprensa, mas caiu no esquecimento, até que o último número da “Folha do Meio Ambiente” retomou o assunto.

Enquanto a descoberta não se confirma, o rio ganhou um nome provisório: é o rio Hamza, uma homenagem ao geofísico indiano naturalizado brasileiro Valiya Hamza, coordenador do banco de dados do ON e orientador da aluna de doutorado Elizabeth Tavares Pimentel que conduz a pesquisa.

Ela pode resultar numa das mais importantes descobertas ocorridas no Brasil nos últimos anos. Conforme comunicado do Observatório Nacional, estima-se que o rio Ramza tem mais de 6 mil quilômetros, largura variando de 200 a 400 quilômetros, e corre em velocidade baixíssima a uma profundidade de até quatro quilômetros da superfície da terra.

Confirmando-se essas previsões, essa imensa reserva de água doce pode ser em longo prazo muito mais importante para o desenvolvimento nacional do que o pré-sal, até mesmo porque este traz consigo a ameaça da “maldição do petróleo”, conforme artigo que publicamos nesta semana no Boletim Mineiro de História.

Na Amazônia, já havia sido descoberto em 1958 o Aquífero Alter do Chão, que possui um volume estimado de água superior em duas vezes o do Aquífero Guarani que se estende do centro-sul do Brasil até a Argentina. Com o rio Hamza, esse volume de água subterrânea na Amazônia seria quatro vezes maior que o do Aquífero Guarani.

Para confirmar ou não essa expectativa, os pesquisadores estão em busca dos recursos necessários à pesquisa de campo. O indiano Valiya Hamza, de 70 anos, 37 dos quais morando no Brasil, afirma que o custo é relativamente modesto, tendo em vista a importância da descoberta e a necessidade de preservação dessas águas para serem usadas quando o planeta estiver mais sedento. Na opinião dele, é fundamental que a pesquisa seja feita por brasileiros.

Veremos.

Cristina Moreno de Castro Ver tudo

Mineira de Beagá, jornalista, blogueira, poeta, blueseira, atleticana, otimista, aprendendo a ser mãe. Redes: www.facebook.com/blogdakikacastro, twitter.com/kikacastro www.goodreads.com/kikacastro. Mais blog: http://www.otempo.com.br/blogs/19.180341 e http://www.brasilpost.com.br/cristina-moreno-de-castro

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: