Ir para conteúdo

Bernardo Cunha, o Toquinho, 25 anos depois

Conversei com o Bernardo Cunha e ele contou o que fez nos últimos 25 anos, desde o lançamento do filme “Menino Maluquinho”, e relembrou a época das gravações. Leia abaixo (e CLIQUE AQUI se quiser ler sobre os outros personagens).

Bernardo Cunha, que fez o Toquinho, em cena do filme lançado em 1995 e hoje.

1. Hoje você mora em qual cidade? Está com quantos anos?

Tenho 33 e sigo em Belo Horizonte.

2. Nesses 25 anos você chegou a trabalhar como ator em algum outro momento? E hoje trabalha com quê? Conte um pouquinho da sua jornada profissional.

Sim! Logo após o filme eu fiz parte de uma peça de teatro chamada “O céu tem que esperar”. Ficamos 2 anos em cartaz e foi uma experiência maravilhosa. O Samuel, que fez o Junin no filme, também fazia a peça e revezávamos no papel. Mas a carreira artística ficou na infância. Sempre me interessei por artes como música e cinema, mas ficaram como hobbies. Cheguei a fazer alguns cursos livres mas minha carreira profissional sempre esteve envolvida com publicidade e marketing. Já trabalhei em agências, produtoras de vídeo e algumas startups. Hoje trabalho em uma, sou especialista em Sucesso do Cliente e mergulhei na inovação e nesse perfil de empresa. Paralelamente sou guia de excursões pra Disney e levo jovens pra Orlando há 11 anos, nas horas vagas. É uma das coisas que mais amo fazer na vida!

3. E como anda a vida pessoal? Já é casado? Tem filhos? O que aconteceu de mais marcante nos últimos 25 anos? E nos últimos 5, desde a última vez que nos falamos?

Estou com 33 anos, sou solteiro e continuo em Belo Horizonte. Acredito que ficarei por aqui mesmo! Amo essa cidade e pretendo construir uma família aqui. Bom, nos últimos 25 anos morei em vários lugares, inclusive fora do Brasil. Aprendi outras línguas e tive uma boa percepção do mundo. Hoje resolvi parar um pouco. Em 2013 cheguei a viralizar por causa de um post no Facebook sobre uma menina que havia visto em uma agência bancária e até hoje o pessoal pergunta! Me lembro que na época alguém descobriu que eu havia feito o filme e começaram a divulgar notícias estilo “ex-ator mirim faz campanha em busca de grande amor”, haha. Eu me diverti muito na época. De 5 anos pra cá eu foquei bastante na minha vida profissional. Cresci muito em uma startup de BH e hoje lidero um time em uma outra empresa. De lá pra cá também passei a morar sozinho e ter mais independência. Virar adulto que chama, né? Haha!

4. O que achou de ter participado do filme na época, quando criança, e hoje, já adulto, 25 anos depois? Que mensagem gostaria de deixar sobre o filme neste aniversário de 25 anos?

Me lembro que na época eu fiquei muito empolgado mas também sabia que aquilo era um privilégio para poucos. Apesar de novo, eu entendia um pouco o perigo de um evento desses na cabeça de uma criança, de mexer com o ego, etc. Tive sorte de ter pais que apoiaram mas sempre me ensinaram que aquilo não era uma premiação e que criança tem mesmo é que brincar. Hoje continuo me sentindo privilegiado não só por ter participado dessa experiência que é um filme, mas por ser este filme tão especial. É comum amigos me enviarem de vez em quando mensagens e fotos mostrando que estão assistindo o filme com seus filhos, sobrinhos, etc. Isso mostra o quão atemporal é este filme. Ele realmente ficou no imaginário de toda uma geração e conquista os pequenos hoje em dia. Uma grande amiga minha tem uma filha pequena que é fã do filme, sabe até as falas de cor! Eu acho isso sensacional. Tem obras que vão ficar para a eternidade. Quando algo trabalha com esse lado lúdico, permanece. “Chaves” é assim, por exemplo. Outro dia reassisti ao filme, que estava passando na TV, e fazia muitos anos que não via. Me emocionei muito assistindo pois é como escancarar minha infância inteira e mergulhar nas memórias.
Que a gente nunca se esqueça da nossa criança. Em um momento tão dividido e hostil que nossa sociedade passa, deveríamos focar no que realmente nos une e importa de fato. O filme traz essa coisa simples da brincadeira, do perdão, da diversão, etc. Todo mundo está precisando disso um pouco. Continuem maluquinhos.

 

CLIQUE AQUI para ler sobre os outros personagens.

%d blogueiros gostam disto: